Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Queirosiana

Blogue sobre livros, leituras, escritores e opiniões

Persuasão, Jane Austen (1818)

Ficção - Romance - Clássicos

01.01.19 | L.F. Madeira

502x (3).jpg

(review/opinião anterior a 2015, não revista)

Persuasão de Jane Austen foi o último romance completo antes da sua morte em 1817 e é, em muitas maneiras, diferente de todos os seus trabalhos prévios. Grande parte da distinção está na própria heroína, Anne Elliot, na sua situação e a forma como ela responde a tudo o que se passa à sua volta.

Anne Elliot é a personagem principal de Persuasão. É a personagem mais velha de Jane Austen, com 27 anos. Se Marianne Dashwood representa a "felicidade alternativa", Anne é a "felicidade da segunda oportunidade". O seu bom senso e inteligência são bem descritos no livro. A sua doçura tem algo de comovente e cativante.

Anne faz parte de uma das famílias mais estranhas criadas por Jane Austen, com duas irmãs neuróticas e um pai narcisista, Anne não podia estar melhor rodeada!

A história conta-nos o reencontro de Anne Elliot com o Capitão Wentworth ao fim de oito anos de separação devido ao facto de Anne ter recusado o seu pedido de noivado quando tinha 19 anos. Ou melhor, persuadida pela sua grande amiga, Lady Russel, a não o fazer, uma vez que o jovem não tinha fortuna e que seria muito arriscado para Anne comprometer-se com tal situação.

O reencontro é frio. Muitos sentimentos se misturam, tristeza, amargura, rancor, saudade, constrangimento. As dúvidas de Anne são mais que muitas e demoram a terminar. Dessa mistura de sentimentos acaba por ressurgir outro, que afinal, nunca deixou de existir e que renasce agora mais forte que nunca. Este é o romance com a carta mais maravilhosa de sempre e com a personagem mais madura e completa de Jane Austen.

O estilo utilizado em Persuasão acentua o sentimento de solidão em que a personagem principal está mergulhada. O romance é muito introspetivo com muito pouco diálogo.

Em comparação com outras obras da escritora, Persuasão distingue-se no seu tom, no plano, no estilo e no facto de a heroína ser descrita mais subtilmente. Tivesse Jane Austen vivido para editar totalmente o romance, e talvez ele fosse um pouco diferente. Mas isso nunca saberemos. 

Esta é a história da segunda oportunidade, do amor que persiste ligado a esperança mais ténue. Na minha opinião, esta a história de amor mais linda e profunda de Jane Austen.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.