Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Queirosiana

Blogue sobre livros, leituras, escritores e opiniões

Sanditon, Jane Austen

08.09.19

sanditon.png

A propósito da recente adaptação (ou inspiração) televisiva de Sandition, resolvi reler este começo de romance de Jane Austen. Embora tenha lido a versão em língua inglesa, deixo aqui nota da existência da edição em português da Relógio D'Água à venda na Bertrand. 

Sanditon, o eterno romance inacabado de Jane Austen e que, em apenas 11 capítulos, deixa tantas expectativas e um manancial de personagens que desejaríamos descobrir pelas mãos de Jane Austen. Jane Austen terá começado a escrever este romance em 1817, ano em que viria a falecer. 

À semelhança de Mansfield Park, também este romance é intitulado com o nome de um local, Sanditon, uma vila à beira mar plantada e cujas perspectivas de se tornar na coqueluche dos destinos balneários dos ingleses da época é o mote em torno do qual se movem as diversas personagens que Jane Austen nos apresenta. Embora publicado postumamente, em 1925, assumindo o título Sanditon, Jane Austen pensou inicialmente em chamá-lo de The Brothers, o que me leva a crer que a relação entre Tom e Sidney seria mais explorada no romance, o que seria uma estreia em Jane Austen, que sempre se manteve ligada aos pensamentos e acções das suas criações femininas. 

Mas abundante universo de personagens! Sem dúvida que a heroína em potência é Charlotte Heywood, a filha mais velha de uma numerosa família de Sussex que, após um acidente de carruagem dos Parker, acolhidos em casa dos Heywood enquanto recuperam do susto, é convidada a partir com os Parker para Sanditon, como hóspede de verão. Sanditon, que até então não passava de uma vilória de pescadores, está a ser transformada, pelas mãos do empreendedor Mr. Parker numa estância balnear, graças ao financiamento de uma grande senhora, Lady Denham. 

Em torno de Lady Denham, uma viúva rica, pairam os seus herdeiros, Clara Brereton, e Sir Edward Denham e Miss Dunham. Ficamos com uma imagem boémia de Sir Edward, uma ideia maléfica de Miss Denham e agradados com Clara, ainda que paire sobre ela uma dúvida. 

Mais tarde surgem outros personagens, banhistas, por assim dizer, Mrs. Griffiths com as duas Miss Beauforts e a primeira personagem negra de Jane Austen, Georgiana  Lambe.

Ficamos também a conhecer intimamente a família Parker, Mr. Tom Parker e Mrs. Parker, com quem Charlotte está e com quem mantém excelente relação pelo carácter dinâmico de um e afectuoso da outra. Igualmente conhecemos um dos irmãos e as duas irmãs hipocondríacas, que proporcionam momentos hilariantes!

Do segundo irmão, Sidney Parker, ficamos apenas com um breve encontro, um vislumbre, mas com a certeza no coração de que, de uma forma ou de outra, ele se iria apaixonar por Charlotte. Mas isso... nunca saberemos!

Sanditon teve continuações pelas mãos de outros escritores, fiquei particularmente interessada na versão criada por Juliette Shapiro, com o título A Completion of Sanditon e também na versão (também inacabada) de uma das sobrinhas de Jane Austen, Anna Austen Lefroy.

Estou expectante com a adaptação televisiva desta obra, embora absolutamente ciente de que se trata apenas de um trabalho inspirado na obra de Austen.

bertrand.jpg

2 comentários

  • Imagem de perfil

    L.F. Madeira

    11.09.19

    Caro Visconde, muito obrigada!
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.